Ir direto para menu de acessibilidade.
Você está aqui: Página inicial > Últimas Notícias > Conif reforça demandas da Rede Federal ao ministro do Planejamento
Início do conteúdo da página
Notícias

Conif reforça demandas da Rede Federal ao ministro do Planejamento

Conselho levou ao Ministério do Planejamento pautas emergenciais

  • Por IFTM Reitoria
  • Publicado em 23/06/2017 às 14:18
  • Última modificação 23/06/2017 às 14:43
Diretoria Executiva do Conif
Diretoria Executiva do Conif
Crédito: Assessoria do Reitor do IFTM

Com o apoio de parlamentares, nessa quarta-feira, 21/6, o Conselho Nacional das Instituições da Rede, Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) levou ao Ministério do Planejamento pautas emergenciais como as restrições das despesas de custeio, o orçamento de 2017, as previsões para 2018 e o reforço do quadro de pessoal. Como ação imediata para amenizar os impactos do contingenciamento, o ministro da pasta, Dyogo Oliveira, anunciou a revogação da Portaria nº 28/2017, que limitou os gastos com 38 serviços essenciais.

Em 2017, o Orçamento da Rede Federal sofreu cortes em investimento e em custeio. Além disso, por conta da Portaria nº 28/2017, as instituições também tiveram de reduzir em 20% os valores referentes a serviços de manutenção (limpeza, vigilância etc.), em relação a 2016, o que resultou na demissão de terceirizados e, em casos extremos, houve redução da oferta de cursos e vagas. 

“Para garantir as atividades institucionais, precisamos, minimamente, contar com o mesmo Orçamento do ano passado”, disse o coordenador da Câmara de Administração do Conif, Uberlando Tiburtino. “Somos uma Rede interiorizada que tem forte compromisso social, com 644 unidades implantadas em todo o Brasil. Precisamos reverter esta situação”, reforçou a diretora de Relações Institucionais do Conif, Maria Clara Kaschny Schneider. Para o diretor Administrativo do Conselho, Wilson Conciani, “todas as adequações possíveis já foram feitas, mas chegamos ao limite”.

Em relação ao quadro de pessoal, o vice-presidente do Conif, Roberto Gil Rodrigues de Almeida, demandou a ampliação do quadro de referência de técnico-administrativo em educação (TAEs), o aumento do banco de professor equivalente, a autorização para provimento de cargos vagos e mais códigos para a contratação temporária de intérpretes de Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Reconhecendo as dificuldades enfrentadas pelos órgãos públicos, Dyogo Oliveira informou que, além da revogação da Portaria nº 28, o Ministério do Planejamento vem atuando fortemente no Congresso Nacional para garantir a ampliação da receita. “O Brasil vive sua maior recessão”, pontuou. Quanto à adequação do quadro de pessoal para acompanhar o crescimento da Rede, um estudo subsidiará a redistribuição de 23 mil vagas do Ministério da Educação (MEC) não ocupadas, inclusive de TAEs e de docentes do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT). Também está em análise a divisão de outras cinco mil vagas vinculadas ao MEC, com o objetivo de atender prioridades.

Participaram ainda da reunião os senadores Valdir Raupp (PMDB-RO) e Wellington Fagundes (PR-MT); os deputados Marinha Raupp (PMDB-RO) e Rocha (PSDB-AC); o secretário executivo do Conif, Alexandre Bahia, e o secretário de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho no Serviço Público do Ministério do Planejamento, Augusto Akira Chiba.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif)



Assunto(s):
Fim do conteúdo da página